bois

Suplementação com Cana-de-Açúcar mais Ureia para Bovinos

O baixo ou nulo crescimento das pastagens, durante o período seco do ano, determina a necessidade de produzir e conservar forragens para uso nesta época, visando assegurar níveis estáveis de produção de leite e a reprodução do rebanho.

Índice

A Embrapa Gado de Leite desenvolve, desde 1979, ações de pesquisa e transferência de tecnologias orientadas para a produção e uso da cana-de-açúcar, enriquecida com ureia, na alimentação de bovinos no período seco do ano. A opção pela cana-de-açúcar levou em conta seu elevado rendimento de forragem rica em açúcar e bem consumida pelo gado.

A ureia, uma fonte de nitrogênio não-protéico (NNP) de baixo custo e fácil utilização, é adequada para corrigir o baixo conteúdo protéico da cana-de-açúcar. Em razão destes atributos, a tecnologia cana + ureia constitui uma estratégia de fácil implementação, capaz de assegurar maior oferta de forragem de bom valor nutritivo e de baixo custo, na maioria das propriedades leiteiras, sendo especialmente indicada para produtores com baixa capacidade de investimento.

O programa de desenvolvimento e de transferência de tecnologia do sistema de alimentação com cana-de-açúcar + ureia, coordenado pela Embrapa Gado de Leite, vem sendo realizado em parceria com serviços de extensão e assistência técnica das cooperativas e indústrias de laticínios. Como resultado destas ações de P&D, têm-se observado crescente número de produtores que passam a adotar esta tecnologia, indicando que foram alcançados seus propósitos: contribuir para antecipar a idade ao primeiro parto, reduzir o intervalo de partos, aumentar a produção de leite e de animais para venda e, sobretudo, aumentar a renda dos produtores.

Escolha das variedades

O conceito de qualidade de forragem de cana-de-açúcar foi incorporado ao programa de desenvolvimento da tecnologia cana + ureia da Embrapa Gado de Leite, em fins dos anos 80. Nesta época, em unidades demonstrativas (UDs), conduzidas com o propósito de intensificar a transferência desta tecnologia, foram evidenciadas diferenças no valor nutritivo das variedades utilizadas e os seus efeitos sobre o desempenho dos animais.

Os produtores são orientados a cultivar variedades produtivas, ricas em açúcar e baixos teores de fibra, adaptadas às condições locais de fertilidade do solo, relevo e clima. O cultivo de mais de uma variedade, preferencialmente com ciclos de maturação precoce, média-tardia e tardia é indicado, visando assegurar longevidade e alta produtividade do canavial e, sobretudo, o fornecimento de forragem rica em açúcar durante toda a estação seca (maio a novembro).

Limitações nutricionais e correção

A cana-de-açúcar integral é uma forragem rica em energia, tanto maior quanto a riqueza de açúcar no caldo. Sua principal limitação nutricional é o baixo conteúdo de proteína bruta (2 a 3% de PB na base da matéria seca – MS). Outras limitações são os baixos conteúdos de enxofre, fósforo, zinco e manganês e a baixa digestibilidade da fibra. O conhecimento destas limitações e a forma de corrigi-las foi outro ponto enfatizado no programa de difusão do uso da cana, indispensável para superar o ceticismo de técnicos e produtores sobre a eficiência da cana como forragem.

O uso da ureia, visando suprir nitrogênio aos microrganismos do rúmen, capazes de converter NNP em proteína microbiana, é favorecido pelo alto conteúdo de sacarose, prontamente fermentável, da cana-de-açúcar. Com a adição de 1 kg de ureia para cada 100 kg de cana-de-açúcar (peso fresco), o teor de PB na forragem é aumentado de 2- 3% para 10-12% na MS. A utilização inadequada de ureia, contudo, poderá levar à intoxicação e à perda de animais. A adição de uma fonte de enxofre melhora a síntese de proteína microbiana no rúmen, levando a melhor desempenho animal. A suplementação com um sal mineral de boa qualidade é indispensável para dietas baseadas em cana-de-açúcar.

Experimentos conduzidos na Embrapa Gado de Leite mostraram que a adição de enxofre à dieta de cana-de-açúcar + ureia aumentou em 20% o ganho em peso de animais Holandês-Zebu em crescimento. Este ganho pode ser atribuído ao aumento do consumo de forragem e melhoria da eficiência alimentar. Experimentalmente verificou-se que o sulfato de cálcio (gesso agrícola), abundante subproduto da produção do superfosfato, pode substituir o sulfato de amônio como fonte de enxofre nas dietas de cana + ureia.

Os criadores podem usar sulfato de amônio ou sulfato de cálcio (22% S) como fonte de enxofre, dependendo do preço e disponibilidade. O uso de variedades melhoradas de cana-de-açúcar, com altos teores de açúcar e baixos teores de fibra, com adição de ureia, enxofre e o uso de uma boa mistura mineral, proporciona alto consumo de forragem e melhor desenvolvimento do rebanho leiteiro.

A tecnologia cana + ureia

A adoção da tecnologia cana-de-açúcar + ureia é simples, envolvendo, basicamente, os seguintes passos:

1) Preparação da mistura ureia e fonte de enxofre (U + S): pode ser previamente preparada em quantidade suficiente para alimentar o rebanho por vários dias. A mistura recomendada é nove partes de ureia e uma parte de sulfato de amônio ou oito partes de ureia e duas partes de sulfato de cálcio. Com estas proporções obtém-se uma relação N:S da ordem de 9 a 16:1. Uma vez preparada, a mistura U + S deve ser guardada em saco plástico em local seco e fora do alcance dos animais.

2) Colheita da cana-de-açúcar: pode ser efetuada a cada dois dias, utilizando a planta inteira – colmo e folhas.

3) Picagem da cana: é feita no momento de fornecer aos animais, para evitar fermentações indesejáveis, que irão reduzir o consumo.

4) Dosagem de ureia e fornecimento da mistura cana-de-açúcar + ureia:

Para 100 kg de cana picada adicionar 500 g da mistura ureia + fonte de enxofre, diluída em quatro litros de água.

A diluição de ureia em água é indicada para facilitar e assegurar a incorporação uniforme de ureia à cana-de-açúcar.

Para 100 kg de cana picada adicionar um quilo de ureia + fonte de enxofre, diluída em quatro litros de água.

Esta solução é distribuída sobre a cana picada e, em seguida (antes de fornecer aos animais), incorporada de forma a assegurar uma mistura homogênea, evitando assim os riscos de intoxicação pela concentração de ureia em alguma parte do cocho.

Outra forma de incorporar a ureia + fonte de enxofre à forragem picada da cana, para o arraçoamento de grandes rebanhos, é:

a) colheita manual e picagem com picadeira estacionária acoplada ao trator, sendo a ureia adicionada seca na saída da bica da picadeira;

b) colhedeiras de forragem para a colheita e picagem, bem como vagões simples ou misturadores, com descarga automática, para o transporte, mistura da cana-de-açúcar + ureia e distribuição.

5) Recomendações gerais para alimentar os animais com cana-de-açúcar + ureia:

  • usar variedades de cana-de-açúcar produtivas, com altos teores de açúcar;
  • após a colheita, não estocar cana por mais de dois dias;
  • efetuar a picagem da cana-de-açúcar no momento de fornecer aos animais;
  • usar ureia mais fonte de enxofre nas dosagens recomendadas;
  • misturar uniformemente a ureia à cana picada, para evitar riscos de intoxicação;
  • guardar o período de adaptação, observando os animais com regularidade;
  • depois do período de adaptação, fornecer cana-de-açúcar + ureia à vontade;
  • usar cochos bem dimensionados, permitindo livre acesso dos animais;
  • eliminar sobras de forragem do dia anterior;
  • manter água e sal mineral à disposição dos animais;
  • fornecer concentrado em função do nível de produção de leite ou ganhos de peso desejado.

Conclusões

A cultura da cana-de-açúcar deve ser tecnicamente bem estabelecida e manejada, para obter altas produções. Com potencial para produção acima de 120 t/ha/ano de forragem, a cana-de-açúcar é um recurso forrageiro com grande potencial para incrementar a produção de leite e carne, nos trópicos.

O sistema de alimentação cana-de-açúcar enriquecida com ureia e enxofre pode ser usado para gado de leite ou corte, em confinamento ou a pasto, durante o período seco do ano, com fornecimento de concentrado ou não, dependendo do nível de produção de leite ou ganho de peso esperado. É uma tecnologia simples, de fácil implementação, tornando-se especialmente indicada para produtores com baixa capacidade de investimento.

A adoção desta tecnologia pode contribuir para: aumento e estabilização da produção de leite aos níveis obtidos durante o período das chuvas, redução da idade ao primeiro parto, redução do intervalo de partos, manutenção das altas taxas de lotação obtidas pela intensificação e manejo das pastagens, com retornos econômicos.

FAÇA A SUA ASSINATURA

Ou clique no link:

https://go.agriconline.com.br/pass/?sck=portal

Fonte

TORRES, Rodolpho de Almeida; Da Costa, José Ladeira. Alimentação na Seca: cana-de-açúcar e uréia. Juiz de Fora – MG: EMBRAPA, 2004. (Embrapa Gado de Leite. Comunicado Técnico, 40).

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
Daniel Vilar
Daniel Vilar
Engenheiro Agrônomo especialista em Gestão do Agronegócio e Produtor de Conteúdo na AgricOnline